Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

Mãe África

Reveste-me das noites formosas, Luar e alegoria de estrelas. Parto de teu manto Como filha nómade, Mãe África.
Reveste-me de metáforas marítimas, E em minhas vestes azul-translúcido, Partirei ao poderoso reino de uma suntuosa Iemanjá. Leva-me nas correntezas de tuas ondas salgadas, Entre os peixes, Edificarei meu castelo madrepérola.
És diáspora e cor de minha pele, A qual tudo sofre, E nada cala. Fizeste-me rainha majestosa, Em teus átrios, Mãe, revestiu-me De joias divinais, diamantes e rubis Pendiam de minha ditosa coroa.
Banhaste-me nas doces águas de uma Osun Que me era apenas amor translúcido e transeunte Neste coração de preta itinerante.
O amor é dos que partem, E eu parti, Mãe, Levando no peito o teu estandarte, E ainda que me flagelem a carne, Espalharei o teu amor  Pelos quatro cantos deste mundo. Nitorina j o!


Por: Yasmin Morais

Últimas postagens

Desmembrada

A Carne da Tua Alma

Scena d'amore

Ele Disse Sim

Comer a Fruta

Para ti, querido

Apático e Metamórfico

Nymphaea

Unum Diem Durantia